Nosso Jardim

nosso jardim

Uma das mais importantes tarefas que desempenhamos por aqui, sem dúvidas é o contato que temos com a Mãe através da Jardinagem. Toda a sutileza pertencente ao Espírito pode ser revelada pela Matéria, quando nos colocamos em serviço à Natureza.

A idéia é aplicarmos nossos esforços para resgatar essa integração. O manejo da matéria orgânica, o plantio e o cuidado de árvores, a observação da relva, a labuta com as hortaliças e muitas outras tarefas, vão nos mostrando o quão profunda é nossa relação com o ambiente natural. Obtemos alimento de uma qualidade inestimável quando participamos deste processo.

E esta é nossa oferta àqueles que se interessam pelo assunto. Por algumas horas semanais dedicadas ao Jardim, é possível tornarmo-nos responsáveis por boa parte dos alimentos que consumimos.

Realizamos no sábado do dia 4 de abril, um mutirão para instalar este SAF (sistema agro-florestal) aqui no sítio. Esta atividade está ligada ao projeto Plantando Águas, que estamos participando como uma das famílias beneficiadas em nossa regional e que tem o propósito de instalar um SAF de 0,5ha, apelidado de pomar agro-florestal.

Contamos com a presença de vários irm@s, que vieram muito animados no espírito da doação. O dia estava muito propício para esta atividade e nos deixou livres para trabalhar até o entardecer. Ao final, conseguimos deixar uma pequena área de 500m² repleta de mudas de arbóreas bem plantadas, que ainda receberão uma coroa bem espessa de matéria seca, que as ajudará durante todo o período mais seco.

Tiririca (Cyperus rotundus)

Sabemos o quão difícil é reestabelecer o equilíbrio quando o assunto é tiririca. O procedimento mais simples e que traz altos benefícios, consiste em fazer coberturas constantes sobre o solo repleto de tiriricas. Com isso, deixamos o solo mais solto, facilitando a retirada das plantas com o bulbo. E após um número significativo de abafamentos, enfraquecemos as plantas,  já que elas não irão realizar fotossíntese suficiente pra brotar novamente.

Alguns meses atrás, quando o sol e a chuva do verão tornaram nosso "chuchuzal" numa verdadeira selva, que comia os bonecos e sapatos das crianças, ficamos com a tarefa de cortar ele até o toco para mudar a cerca de lugar. No meio do matagal, não imaginei que ele estava produzindo tanto fruto, mas enquanto fomos cortando a trepadeira maluca. alimentamos as cabras e as crianças foram amontoando chuchu.  No final, juntamos algumas dúzias de chuchus! E curiosamente, descobrimos que as gatas adoram chuchu. Além dos frutos, elas mastigaram todas as rebrotas.

O quê fazer com tanto chuchu? Aqui em casa, gostamos de preservar nossas "grandes colheitas" usando um método que se chama fermentação lática. Neste caso, a palavra lacto não se refere ao leite animal e seus derivados, mas sim ao lactobacilo que é responsável por converter os amidos e açucares dos vegetais em ácido lático. Além de inibir as bactérias responsáveis pelo apodrecimento do alimento, o ácido lático promove o crescimento de boa flora no intestino dando um grande impulso para o sistema imunológico. Trazendo fermentação para nossas mesas, aumentamos as quantidades das vitaminas B, omega-3 e enzimas da digestão, que ajudam nosso corpo absorver mais vitaminas e minerais do que conseguimos absorver sem fermentação. Pra quem é vegetariano, é indispensável alimento fermentando na dieta!

 

Lenha (Paus officinalis)

Muito se fala das qualidades do esterco animal e pouco se comenta da potência que tem o esterco obtido de material lenhoso.

A quantidade de lenha que encontramos dentro de uma floresta é imensa. Muita madeira gerada através do processo de transformação da energia do Sol. Já nas áreas desmatadas, a pouca lenha que ainda é gerada, acaba virando fumaça quando ocorrem as "limpezas" que costumam fazer nos terreiros.

É comum ouvirmos sobre o uso da serragem obtida em serrarias. Que por muitas vezes, é sobra de madeiras tratadas por produtos químicos de origem duvidosa. Sendo que a lenha que apodrece lentamente, terá uma força sensivelmente maior, com segurança e economia de energia.

Mais um momento de intensa coleta de material orgânico para irmos nos "distraindo" com a famosa compostagem. É relvado, lenha e material turfoso que não se acaba mais! Somos sempre agraciados com as muitas podas que vamos fazendo em árvores e arbustos aqui da área. Pegamos uma parte da galhada pra passar pela picadeira e o material mais grosseiro pode tornar-se estrutura pra canteiro ou ainda passar um bom tempo empilhado transformando-se em húmus!

Bambuzal (Bambusa tuldoides)

Há tempos ouvimos muito dizer da versatilidade do bambu como matéria-prima. E ao estabelecer um contato com as touceiras de Tuldoides que aqui existem, percebemos a chance de torná-las nossa principal fonte de cobertura para o solo.

Uma vez que a luz fica bloqueada pelo denso bambuzal, reduzimos o número de touceiras fazendo um corte raso em algumas e também aplicamos um belo raleio nas touceiras remanescentes, pois a superpopulação favorece o desenvolvimento das brocas.

logo redeapa

www.000webhost.com